Entre em contato por e-mail

Confira nossos artigos e notícias

Conecte-se no Twitter com a Duplique Desembargador!

Download de aplicativos (como o Adobe Reader) e modelos de documentos e formulários

Acompanhe a evolução dos condomínios da Duplique Desembargador!

Conecte-se no Facebook com a Duplique Desembargador!

Conecte-se no Google Plus com a Duplique Desembargador!

Ar-condicionado para todos

Especialistas esclarecem dúvidas sobre instalação e manutenção do equipamento na área externa do condomínio e no apê

Na hora de contratar uma empresa para a instalação ou manutenção do ar-condicionado, síndico e moradores devem supervisionar a empresa que fornecerá esse serviço.

De acordo com o engenheiro da Thermo MachineTecnologia em Ar Condicionado Ltda., JoséCarlos Bauer, é importante que o síndico defina em assembleia quais espaços do condomínio vão ser climatizados e só então contratar uma empresa, que – é interessante frisar – possua um engenheiro como técnico responsável.

“É permitido a instalação em áreas comuns dos edifícios, como hall de entrada e salões de festas. Para não haver surpresas e assegurar a saúde dos frequentadores, a manutenção periódica desses equipamentos merecem atenção.”

Bauer lembra que o custo da obra para os moradores também precisa ser previamente aprovado em assembleia.

“Se a climatização é de alguma área comum, tanto o custo dos equipamentos, quanto o da instalação e da manutenção devem estar previstos no orçamento anual, e a decisão da forma de rateio dos custos previamente aprovada em assembleia.”

Ar-condicionado no apê – Para a instalação, Bauer destaca três situações.

“Se a infraestrutura do projeto já foi feita, basta contratar uma boa empresa de ar-condicionado e fazer a instalação, obedecendoàs especificações do projeto. Se não foi feita ainfraestrutura, haverá quebra-quebra para a instalação, e neste caso – como manda a nova lei – um engenheiro civil deverá se responsabilizar pelas áreas de passagem das tubulações de gás refrigerado do equipamento. Mas se não foi previsto em projeto civil e nem elétrico, os dois engenheiros devem ser consultados e um projeto ‘as built’(conjunto de informações elaboradas na fase de supervisão e fiscalização da obra)deve ser elaborado, antes que inicie a instalação particular do equipamento no apartamento.”

Segundo o engenheiro e diretor da Nat Técnica Adalberto Teixeira, o condomínio pode proibir a instalação no apartamento, se não estiverem respeitadas todas as normas.

“Com a instalação de tais equipamentos, a segurança do edifício pode estar totalmente comprometida com relação a riscos de incêndio. A permissão de uso e até a especificação da capacidade do equipamento por unidade condominial devem estar transcritas no regulamento interno do condomínio. Se não estão, deveriam. Vale, ainda, lembrar que não são todos os apartamentos que podem fazer a instalação, somente aqueles que respeitarem toda a legislação e as normas de órgãos públicos e de classe – como ABNT e CREA –, sem esquecer a convenção e o regulamento interno do próprio condomínio”, adverte.

Após a instalação, os cuidados com a manutenção e a limpeza são extremamente necessários, para dar vida longa ao ar-condicionado.

“Nada como uma empresa que te ofereça manutenção preventiva e corretiva para evitar acidentes e bactérias extremamente nocivas à saúde dos moradores,” afirma Teixeira.

Fique atento

  • Uma empresa com engenheiros capacitados deve ser consultada para analisar os projetos de instalação
  • A interferência na fachada do condomínio vai contra as determinações de órgãos regulatórios, sujeitando o condomínio infrator a multas previstas no próprio regulamento interno
  • Uma sobrecarga na elétrica do apartamento pode causar incêndios no edifício
  • É importante pesquisar qual é o ar-condicionado mais adequado para a área externa do condomínio e para o apartamento
Fonte: iCondominial

Encontre-nos no facebook