Entre em contato por e-mail

Confira nossos artigos e notícias

Conecte-se no Twitter com a Duplique Desembargador!

Download de aplicativos (como o Adobe Reader) e modelos de documentos e formulários

Acompanhe a evolução dos condomínios da Duplique Desembargador!

Conecte-se no Facebook com a Duplique Desembargador!

Conecte-se no Google Plus com a Duplique Desembargador!

Crianças desacompanhadas e a responsabilidade dos condomínios

Imagem relacionada

Outro problema comum dentro dos condomínios é a presença de crianças desacompanhadas em áreas comuns por longos períodos. “Infelizmente, há pais que trabalham muito, têm outros tipos de compromisso e não têm com quem deixar as crianças. Isso é particularmente preocupante porque a segurança da criança passa a ser de responsabilidade também do condomínio”, destaca o síndico do Jardins Eco Resort & Residence, Marcelo Canhada.

Para evitar eventuais problemas, o condomínio no qual é síndico não permite que crianças permaneçam sozinhas em áreas como a piscina ou garagem. “Esses espaços podem oferecer riscos reais a essas crianças por conta de circulação de carros nas garagens e pelo risco de afogamento na piscina. Então, nos preocupamos muito em evitar que as crianças não estejam sozinhas e, assim, evitar problemas sérios.”

No Brisas Residencial Club Alto do Araxá, Rodrigo Nascimento afirma que até mesmo em áreas como a Brinquedoteca e a quadra esportiva é exigida a presença dos responsáveis para acompanhar crianças até dez anos. “Em último caso, pedimos que os adultos nos comuniquem por escrito que eles permitem que suas crianças estejam ali desacompanhadas. É uma questão de segurança. Deles e do próprio condomínio”, destaca.

A assessora jurídica do Secovi, Adiloar Franco Zemuner, ressalta que esses cuidados são fundamentais. “Recentemente eu orientei um síndico sobre um choque de um carro em uma criança que estava brincando de esconde-esconde em uma garagem. No caso, uma multa foi aplicada a todos os responsáveis das crianças que participavam da brincadeira porque todas elas infringiram regras do regimento interno.” Para ela, a questão financeira das multas é também fator educativo. “Eu acredito que as multas são necessárias para que, de fato, as regras sejam cumpridas.”

Canhada e Nascimento afirmam aliviados que nunca registraram nenhum acontecimento grave que colocasse em risco a vida das crianças e adolescentes de seus condomínios. “Conseguimos isso porque a gente tem o cuidado diário de cuidar de todos os condôminos. É difícil fazer com que as regras sejam cumpridas, mas são elas que fazem com que todos estejam em segurança”, destaca o administrador do Brisas. (T.S.)

Fonte: Folha de Londrina

Encontre-nos no facebook