Entre em contato por e-mail

Confira nossos artigos e notícias

Conecte-se no Twitter com a Duplique Desembargador!

Download de aplicativos (como o Adobe Reader) e modelos de documentos e formulários

Acompanhe a evolução dos condomínios da Duplique Desembargador!

Conecte-se no Facebook com a Duplique Desembargador!

Conecte-se no Google Plus com a Duplique Desembargador!

Espaços comuns em alta

Construtoras investem em condomínios fechados com toda a estrutura de lazer e de comodidade, que se assemelha à de edifícios residenciais de alto luxo

Projeto arquitetônico e paisagístico do Gran Park Toscana, da Gran Viver, valoriza a integração das áreas internas e externas - Gran Viver/Divulgação
Projeto arquitetônico e paisagístico do Gran Park Toscana, da Gran Viver, valoriza a integração das áreas internas e externas

Tranquilidade, silêncio, privacidade e a possibilidade de morar em uma casa sem se preocupar com roubos, sequestros ou assaltos são algumas das motivações de quem opta por viver em condomínio fechado. Esses bairros planejados geralmente são cercados, com acesso restrito de carros e pessoas, e contam com equipe de segurança particular. O boom do mercado imobiliário da última década evidenciou o crescimento desse tipo de empreendimento, principalmente em regiões metropolitanas das grandes cidades do país. Mas o conceito desse tipo de ocupação residencial vem se transformando, superando a lógica de ser apenas um local mais seguro para se viver. Hoje, espaços comuns ganham cada vez mais importância, assim como áreas de preservação, arquitetura e paisagismo.

Segundo Ivan Baptista, corretor de imóveis especializado em condomínios fechados, os novos empreendimentos no segmento se aproximam da tendência dos edifícios residenciais de alto luxo, valorizando, além da infraestrutura básica, áreas comuns dos moradores, como piscina, espaço gourmet, academia, espaço kids, entre outros. “Os condomínios horizontais mais antigos, como o Vila del Rey, em Nova Lima, ofereciam somente a estrutura básica, como ruas pavimentadas, rede elétrica e uma ou outra pracinha. Mas esse perfil mudou com o tempo, e as áreas comuns ganharam bastante importância”, afirma Baptista.

O corretor atribui essa mudança pelo perfil das pessoas que decidem morar em condomínios. Para ele, boa parte desse público, normalmente de classe social mais alta, deixa o Centro da cidade para buscar mais espaço e tranquilidade. Como os edifícios de luxo e alto luxo, principalmente os mais novos, oferecem excelente estrutura nas áreas comuns, essas pessoas esperam ter a mesma comodidade em suas novas residências.

O diferencial do Costa Laguna, da CSul, além da localização privilegiada na Lagoa dos Ingleses, é a entrega de toda a estrutura de área comum pronta  - CSul/Divulgação
O diferencial do Costa Laguna, da CSul, além da localização privilegiada na Lagoa dos Ingleses, é a entrega de toda a estrutura de área comum pronta

“É um pessoal mais exigente, acostumado com o conforto próximo. Como já abrem mão de morar perto do Centro, com mais opção de comércio, querem que o condomínio ofereça o máximo de itens possíveis. É muito difícil ver algum novo empreendimento para esse público que não tenha uma área de lazer completa, com churrasqueira, academia, piscina, quadras de esporte. Outro ponto muito valorizado por essas pessoas é a arquitetura e a decoração das áreas comuns e das portarias. O paisagismo também”, explica. Baptista acrescenta ainda que itens de segurança já são obrigatórios nesses empreendimentos, deixando de ser vantagem na comercialização dos lotes e casas. “As construtoras que não oferecerem recursos modernos de segurança estão fora do mercado. Meus clientes, antes mesmo de visitar a casa ou o lote, querem detalhes sobre a segurança do local”, completa.

Com vista para a Serra da Moeda, o condomínio fechado Costa Laguna é a aposta da CSul no Vetor Sul da RMBH. O diferencial do empreendimento, além da localização privilegiada na Lagoa dos Ingleses, é a entrega de toda a estrutura de área comum pronta. Serão entregues espaço gourmet, academia, salão de festas, quadras de tênis, poliesportiva e playground. Os lotes medem de 525 metros quadrados (m²) a 1.250m² e a previsão de entrega é para maio de 2017. “O diferencial é o conceito. É um loteamento com excelente nível de infraestrutura e que será entregue pronto, com portaria 24 horas e circuito interno de vídeo”, afirma Waldir Salvador, superintendente da CSul.

CONCEITO MEDITERRÂNEO Com o sucesso do empreendimento Gran Park Toscana, a Gran Viver, loteadora que integra o Grupo Seculus, lança a segunda etapa do projeto que reúne arquitetura e paisagismo com conceitos italianos. A ideia é proporcionar aos moradores os encantos e as belezas da Toscana, região no Centro da Itália, conhecida mundialmente pela produção de vinhos. O projeto arquitetônico e paisagístico valoriza a integração das áreas internas e externas, criando grandes pátios com jardins, pérgolas e outros detalhes típicos da região italiana.

O Residencial Gran Park Toscana II está localizado em Vespasiano, uma das regiões mais valorizadas para esse tipo de empreendimento, no Vetor Norte. O condomínio tem 432 lotes, com áreas partir de 405m², e conta com área verde preservada de 60 mil m², complexo de lazer e entretenimento exclusivo totalmente independente do primeiro residencial. O clube privado tem espaço gourmet, spa integrado com a piscina, academia, piscina com raia, núcleo infantil com piscina e playground, quadra oficial poliesportiva e de tênis (saibro).

“Comodidade e funcionalidade foram outros atributos pensados ao desenvolvermos esse projeto. Nos empenhamos para oferecer um residencial com uma infraestrutura completa para toda a família e que, ao mesmo tempo, fosse a opção ideal para aqueles que desejam desfrutar de um ambiente bucólico e aconchegante, próximo a Belo Horizonte e aos principais centros urbanos da região, com acesso a grandes comércios e serviços”, explica Graciela Barcelos, diretora de Produtos da Gran Viver. Além de portaria independente, o Gran Park Toscana II conta com a essencial infraestrutura de segurança, composta por um circuito fechado de TV, controle de acessos e fechamento perimetral.

Mesmo com o cenário atual de crise econômica e retração do mercado imobiliário, a loteadora prevê para o primeiro mês após o lançamento faturamento de R$ 17 milhões. O valor geral de vendas está estimado em R$ 65 milhões.

NORTE E SUL

O crescimento do número de condomínios horizontais fechados na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) chamou a atenção nos últimos anos. Respondendo à demanda de diversificados públicos, duas regiões se destacam com ampla oferta de imóveis dentro do segmento: o Vetor Sul, mais especificamente Nova Lima e Brumadinho, e o Vetor Norte, com cidades como Confins, Capim Branco, Esmeraldas, Jaboticatubas, Lagoa Santa, Ribeirão das Neves, Santa Luzia e Vespasiano. Vários fatores contribuíram para a mudança de perfil de bairros e cidades que fazem parte desses corredores em pleno crescimento. Vias de acesso e a melhoria do transporte público aproximaram regiões, antes vistas como distantes, ao Centro de BH. Com o crescimento da ocupação dessas localidades, redes de comércio e serviços começam a aparecer, facilitando ainda mais a vida de seus moradores, que não precisam se locomover muito.

QUALIDADE DE VIDA

Veja algumas vantagens de morar em condomínio fechado

SEGURANÇA
»
 Talvez um dos mais importantes benefícios desse modelo de bairro. Muros, cercas elétricas, guarita, portaria 24 horas e câmeras de identificação garantem a tranquilidade dos moradores. Com saídas e entradas controladas, riscos são evitados, incômodos e visitas indesejadas também.

ESTRUTURA
»
 Matas nativas preservadas, praças, lagos, áreas verdes e espaços de convivência começam a fazer parte dos novos empreendimentos, agregando ainda mais valor à vizinhança.

LAZER
»
 Atividades e opções de entretenimento para todas as idades são tendência. Piscinas, saunas, brinquedotecas, playgrounds, quadras, salões de festas, espaços gourmet, churrasqueiras e academias são alguns dos itens mais requisitados em áreas comuns nos novos condomínios.

TRANQUILIDADE
»
 Reservados e afastados do caos da cidade, os residenciais costumam proporcionar mais tranquilidade ao dia a dia. Seja em casas ou apartamentos, os condomínios fechados tendem a ser a melhor opção para quem busca paz e silêncio.

VIZINHANÇA
»
 Com as áreas de convivência ganhando cada vez mais espaço nesses empreendimentos, os condomínios fechados incentivam a interação e harmonia entre os moradores. Por serem mais exclusivos e reservados, o relacionamento entre vizinhos é facilitado.

LOCALIZAÇÃO
»
 Apesar do ambiente calmo e mais afastado, os condomínios estão próximos de centros urbanos e áreas comercias, que atendem às necessidades básicas dos moradores, facilitando a rotina.

Fonte: Estado de Minas, Lugar Certo

Encontre-nos no facebook