Entre em contato por e-mail

Confira nossos artigos e notícias

Conecte-se no Twitter com a Duplique Desembargador!

Download de aplicativos (como o Adobe Reader) e modelos de documentos e formulários

Acompanhe a evolução dos condomínios da Duplique Desembargador!

Conecte-se no Facebook com a Duplique Desembargador!

Conecte-se no Google Plus com a Duplique Desembargador!

Fique atento às bombas d’ água

Fique atento às bombas d’ água

Atenção com a limpeza e com danos causados pelo desgaste natural são fundamentais para o bom funcionamento das bombas d’ água.

Imagine ser acordado às 23h50 em pleno feriado porque no dia anterior o sistema de bombas foi limpo e não retomou seu pleno funcionamento, deixando os condôminos sem água e considerando que o condomínio não fica na cidade em que o síndico reside. Este é apenas um exemplo dos aborrecimentos que podem ser vivenciados quando acontecem problemas com as bombas d´água.

Síndico profissional em Balneário Camboriú, Itajaí e Camboriú, Renato Koprowski passou por esta experiência e conhece bem os contratempos que podem ser ocasionados pela falha no equipamento. “No condomínio em que sou síndico, assim como em vários outros que administro, temos as bombas de abastecimento do sistema de água que alimentam a caixa geral. Além do desgaste natural que ocorre com o passar do tempo, o maior problema que se enfrenta é com relação ao trabalho de limpeza, pois isso afeta diretamente os sistemas de bombas”.

Bomba agua

Síndico profissional, Renato Koprowski conhece bem os contratempos que podem acontecer pela falha no equipamento

Ele recomenda que após o serviço de limpeza deve-se ficar atento à retomada do pleno funcionamento do sistema e certificar-se de que a caixa esteja completamente abastecida para evitar entrada de ar no sistema. “Devido a esta situação chegou a ocorrer a queima do motor e houve a necessidade de substituição”, descreve Renato.

Funções

Dependendo das necessidades, um edifício pode possuir diferentes tipos de bombas. Segundo o técnico Rafael Vieira de Moura, cada sistema tem uma função específica e a vida útil vai depender das condições elétricas e hidráulicas em que a bomba foi instalada e também do local, por exemplo, se é úmido ou não. O tempo de duração da manutenção também dependerá desses fatores.

Técnica do setor de bombas, Cinthia Krauss explica que esses equipamentos exigem bastante cuidado, porém, as bombas facilitam a vida de síndicos na hora de resolver problemas de última hora, como por exemplo, uma inundação da garagem.

Cinthia ressalta que a manutenção é indispensável, pois a falta de cuidados preventivos pode ocasionar sérios problemas com o abastecimento de água. “Quando o assunto é a falta de água no reservatório superior ou alagamento, por exemplo, a bomba trabalha com a elevação por meio de um sistema chamado de motobombeamento. Em casos de inundação nas garagens dos condomínios, causadas por chuvas fortes, a bomba de esgotamento trabalha rapidamente para retirar a água. Por estes motivos, não é recomendável procurar fazer economia com as bombas”, destaca.

Rafael explica que todo equipamento tem seu desgaste natural e recomenda que ao menos se faça uma manutenção preventiva anualmente. Segundo o profissional, os itens básicos para o bom funcionamento do equipamento incluem a troca de rolamentos, orings (aros) de vedação, selo mecânico (peça que permite conectar sistemas sem que ocorram vazamentos), e higienização interna das peças, feita por meio de jato de areia e que evita a contaminação do aparelho.

Tipos de bombas

As bombas que não podem faltar nos condomínios:

  • Bomba de recalque: funciona com um cano de sucção acoplado na entrada, que suga a água de um reservatório chamado cisterna. A partir daí a bomba de recalque joga o líquido para a caixa de água do prédio, que fica localizada no último andar e distribui para as unidades.
  • Bombas de pressurização de hidrantes: Têm a missão de manter a rede hidráulica do sistema contra incêndio sempre com pressão, pois em caso de emergência, abre-se o registro do hidrante para combater o incêndio e a água que sai da mangueira terá pressão para alcançar longas distâncias. A bomba é acionada por um painel de automação executando o procedimento de combate ao fogo.
  • Bomba de esgotamento de água pluvial: é chamada de bomba submersa, pois trabalha escoando com alto desempenho os fluídos pluviais, esgotos e outros.

Fonte: CondominioSC

Encontre-nos no facebook