Entre em contato por e-mail

Confira nossos artigos e notícias

Conecte-se no Twitter com a Duplique Desembargador!

Download de aplicativos (como o Adobe Reader) e modelos de documentos e formulários

Acompanhe a evolução dos condomínios da Duplique Desembargador!

Conecte-se no Facebook com a Duplique Desembargador!

Conecte-se no Google Plus com a Duplique Desembargador!

Jardins valorizam condomínios e favorecem bem estar

Jardins valorizam condomínios e favorecem bem estar

Poder abrir a janela do quarto pela manhã e ver um belo jardim com flores e árvores, mesmo morando em um condomínio no centro da cidade, é mais comum atualmente. É um benefício que vem conquistando moradores de regiões urbanas que buscam melhor qualidade de vida. Para o engenheiro agrônomo e professor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) doutor Enio Luiz Pedrotti, conviver em um meio arborizado torna os moradores mais contentes por estarem em um local agradável, o que está relacionado diretamente com a saúde e o bem estar. Mas para ter um jardim planejado é importante ter o suporte de um profissional. O ideal é ser um paisagista, que pode ter a contribuição de agrônomos, engenheiros e outros arquitetos.

Investir em jardins no meio urbano é uma tendência que no Brasil começou a ganhar espaço primeiramente em São Paulo, por ser uma metrópole densa, muito poluída e com os transtornos de cidade grande, como os engarrafamentos e falta de segurança. Para se aproximar da natureza é uma tendência os condomínios verticais destinarem amplos espaços aos jardins e investirem mais nas áreas de lazer.

“Em Florianópolis, já são muitos os condomínios residenciais que tem o paisagismo como atrativo”, observa Kátia Adams, arquiteta paisagista da Casa Verde Garden Center. Segundo ela, pela localização da Capital, durante o verão as praias são os principais destinos de lazer da cidade, porém, no período de frio há poucas opções, principalmente se considerarmos as praças e parques urbanos, muitos dos quais se apresentam mal cuidados e inseguros.

De acordo com a arquiteta paisagista, investir em jardins e áreas de lazer nos condomínios é um benefício para os moradores, pois o contato com a natureza influi diretamente na qualidade de vida dos usuários. Dessa forma, o jardim do condomínio surge como uma opção de recreação e contemplação. “O jardim é, ao mesmo tempo, ornamental, contemplativo e também o espaço de lazer, de convívio dos moradores, com playgroud, quadra esportiva, piscina e até pequenas trilhas ecológicas”, aponta.

Segundo Kátia, independente da localização e padrão arquitetônico, qualquer condomínio pode ter um jardim, pois o custo de implantação varia muito. Ele pode ser elaborado em qualquer dimensão e somente um profissional pode adequar as necessidades dos usuários com as condicionantes do local. O custo final vai depender da área do jardim, das características do terreno e das espécies vegetais utilizadas no projeto.

No entanto, ter uma área verde implica em manutenção. “Um jardim não é um amontoado de espécies vegetais colocadas de qualquer maneira num determinado espaço. O objetivo é proporcionar um grande bem estar aos seus visitantes e usuários”, aponta Pedrotti. Para compor o espaço, as flores e outras plantas a serem usadas devem ter harmonia entre cores, formas, textura e estrutura. “As espécies devem ser combinadas de modo a possibilitar um efeito visual que coloca em evidência o belo de cada elemento vegetal utilizado no projeto”, ressalta o engenheiro agrônomo.

Pelos benefícios que as áreas verdes oferecem aos moradores, atualmente esse é um dos quesitos que mais valorizam o empreendimento, por isso muitos prédios estão sendo construídos próximos às encostas onde existe abundância de natureza. Inclusive, hoje “as construtoras tem apostado no paisagismo, pois valoriza e complementa a arquitetura”, opina Kátia. O engenheiro agrônomo Pedrotti completa ao dizer que os anúncios de apartamentos chamam a atenção dos possíveis clientes em vários aspectos, como ser perto dos centros urbanos e comerciais, “mas o que se salienta são as proximidades com áreas verdes públicas ou privadas, bosques, parques e principalmente o espaço em que o condomínio reservará como área verde. Desta forma acrescentam este custo no preço do apartamento valorizando-o”, pondera o professor.

Cuidados

Durante todo o ano, as plantas merecem cuidados diferenciados devido às mudanças de cada estação. No verão, as plantas passam por um período de intenso calor e frequência de chuvas, época propícia para elas se desenvolverem, porém mais propensas a pragas e doenças. Normalmente surgem manchas escuras ou esbranquiçadas, sendo necessário o controle com fungicidas ou inseticidas. Segundo Kátia, o outono é a estação adequada ao plantio, pois é um período de temperaturas moderadas.

Para jardins já implantados, é importante fazer a adubação para que as plantas estejam bem nutridas durante a estação mais fria do ano. “Tenho verificado que a primeira reação de muitos jardineiros é podar, podar e podar. Poucos se preocupam em preparar a planta para que entre no inverno bem nutrida para emitir brotações vigorosas na primavera”, critica Pedrotti. A manutenção com a limpeza do jardim deve ser realizada por um jardineiro durante o ano todo. Já o período ideal para podas começa em maio.

Profissionalismo

Para planejar um jardim corretamente, o síndico deve consultar um profissional habilitado, de preferência um paisagista. A manutenção deve ser feita mensalmente por um jardineiro experiente.

Benefícios das árvores

As árvores promovem uma série de benfeitorias para o ambiente e para os que convivem no local. A consciência de sua importância cresce devido aos alarmes de riscos de problemas ambientais, como o efeito estufa, previsto para daqui a algumas décadas, se não houver uma mudança de cultura ambiental, como defendem os ambientalistas.

Segundo o engenheiro agrônomo Pedrotti, em Florianópolis, a arborização urbana é uma preocupação recente, mas “muitos ainda pensam que as árvores não devem ser plantadas, pois estragam as calçadas e sujam a cidade com suas folhas e flores”, lamenta. É importante lembrar que as árvores fixadas nas calçadas são propriedades públicas, não importando quem tenha plantado. Para fazer cortes, podas ou qualquer outra intervenção, é necessário pedir autorização municipal (secretaria ou fundação do meio ambiente), caso contrário, o infrator poderá ser processado e multado de acordo com o Código Florestal.

Por que preservar e plantar árvores em condomínios?

  • Diminui a temperatura média
  • possibilita sombra e lazer
  • serve de abrigo para pássaros
  • minimiza o nível de ruídos
  • melhora a qualidade do ar
  • reduz velocidade dos ventos
  • embeleza o condomínio

(Matéria originalmente publicada em Jornal dos Condomínios de Abril 2008)

Fonte: CondomínioSC

Encontre-nos no facebook