Entre em contato por e-mail

Confira nossos artigos e notícias

Conecte-se no Twitter com a Duplique Desembargador!

Download de aplicativos (como o Adobe Reader) e modelos de documentos e formulários

Acompanhe a evolução dos condomínios da Duplique Desembargador!

Conecte-se no Facebook com a Duplique Desembargador!

Conecte-se no Google Plus com a Duplique Desembargador!

Madeira e azulejo são opções sofisticadas e práticas para o piso

Beleza, manutenção e durabilidade são qualidades que devem ser levadas em consideração. Conheça as características de cada um e faça a escolha certa

Com tantas opções existentes no mercado, escolher o piso para a casa não é tarefa fácil. Além de beleza, é preciso pensar também na durabilidade e manutenção. Dois materiais despontam como boas opções. Para quem deseja algo mais refinado e sofisticado, que tal optar pela madeira? Já quem busca um resultado bonito, porém mais prático e em conta, o azulejo se torna uma boa opção. Cada um tem suas vantagens e desvantagens. Fique por dentro das características da madeira e do azulejo e faça a melhor escolha.

Se a opção for pelo azulejo, várias vantagens relacionadas à sua versatilidade e vida útil serão logo percebidas. A primeira delas é que ele é um revestimento que pode ser usado tanto em área seca quanto molhada. Mas, claro, que exige alguns cuidados. “Como é um elemento liso, é necessário ter cuidado na hora da aplicação no piso para evitar que aconteçam acidentes, como em box de banheiros, por exemplo”, explica a arquiteta Juliana da Mata. Em relação à manutenção, os azulejos não costumam dar trabalho, são fáceis de limpar e costumam ter vida útil longa. “É verdade que os azulejos geralmente são mais em conta, mais fáceis de limpar e de menos manutenção”, acrescenta a arquiteta do escritório Juliana da Mata Arquitetura.

piso
(Foto: Shutterstock)

Para ter um resultado mais positivo em termos estéticos, é preciso atenção na hora de fazer a aplicação no piso. Os azulejos, de uma forma geral, são peças menores que o porcelanato e, para sua aplicação ficar bonita, tem que ter cuidado de ter um projeto para onde iniciar a colocação da primeira pedra. “A chamada paginação de piso e parede precisa ser feita antes da aplicação do piso para diminuir o trincos, que são os recortes das peças. Com isso, é possível ter um melhor aproveitamento das peças e uma aplicação mais bonita, mais limpa, com menores recortes, valorizando o piso e seu desenho”, explica a arquiteta.

Já a madeira desponta como uma opção bastante elegante e são muitas as formas de se chegar a um belo resultado, já que existem várias opções de uso. “Ela é um piso lindo e muito sofisticado, que aquece o ambiente, dando aconchego e um visual nobre, mas tem suas particularidades e cuidados de manutenção, fora o valor mais alto, que muitas vezes acaba fazendo com que o cliente descarte a possibilidade”, afirma Juliana da Mata. Por isso, é preciso pesar os prós e os contras na hora de decidir por este tipo de piso.

piso
(Foto: Shutterstock)

As madeiras são adequadas mais para locais secos, como quartos e salas, apesar de ser muito usada em madeira natural em áreas abertas, como decks de piscina. “Neste caso, a madeira precisa passar por um tratamento, com um verniz especial, que precisa ser renovado de tempos em tempos para que ela tenha sempre cara de nova”, ressalta a arquiteta.

O piso em madeira natural é o mais nobre e também o que mais pesa no bolso. E é possível ter madeira em tacos, parquet e assoalhos, que geralmente são aplicados nas áreas internas dos imóvel e cada um com a sua peculiaridade. “Os tacos são pequenos pedaços de madeira aplicados, com madeira maciça mais nobre e forte, que formam desenhos como uma escama de peixe. A sua aplicação é mais trabalhosa porque tem que ser colado peça por peça. Mas é um piso lindo que foi muito usado em apartamentos antigos. Há um tempo atrás as pessoas queriam retirá-lo dos imóveis, mas hoje está supervalorizado. Com lixa e verniz, ele fica com cara de novo”, explica a profissional.

piso
(Foto: Shutterstock)

O parquet também é constituído por pequenos pedaços de madeira, que tem a aplicação parecida com a do taco. “Mas são pisos mais antigos e fazem desenhos geométricos, com várias cores de madeira. Quanto à durabilidade, as características são semelhantes às do taco”, diz Juliana.
Além das três possibilidades citadas acima, ainda foi desenvolvido outro revestimento chamado de carpete de madeira ou piso flutuante, que oferece muitas vantagens. “Ele é mais em conta e de aplicação mais fácil, além de que o acabamento já vem pronto da madeira que o cliente desejar, das mais escuras às mais claras. E, como sua lâmina já vem com proteções, dificilmente arranha e precisa de reparos. Basta passar um pano úmido para limpar”, afirma a arquiteta. Porém, o carpete de madeira também exige cuidado. “Ele é mais frágil por se tratar delâminas finas que não podem ver água e no caso disso acontecer, pode inchar e o cliente perder o piso”, completa.

Efeito

piso
(Foto: Shutterstock)

Se o orçamento é mais apertado e não cabe nele um piso de madeira natural, existem outras opções que dão um resultado semelhante e pesam menos no bolso. “Se a ideia é dar um ar mais rústico ao ambiente, existem pisos que tem a superfície que imita madeira e podem ser porcelanato, cerâmica e até PVC”, esclarece a arquiteta Juiana da Mata. “Geralmente esses pisos são mais em conta que a própria madeira, duram mais e não precisam de tanta manutenção como a peça original”, complementa.

Para pensar

piso
(Foto: Shutterstock)

Apesar de a madeira ser uma escolha sofisticada e elegante para o piso, algumas questões precisam ser pensadas antes de decidir por este material. Além do valor mais alto e dos cuidados na manutenção, existem outras desvantagens a serem avaliadas. “A madeira faz barulho, o velho ‘toc toc’, não aguenta água parada, pode arranhar com a movimentação de móveis por cima ou com sapatos, o sol pode queimar a sua superfície, mesmo em apartamentos, quando o sol bate em apenas determinadas horas por dia pela janela. Por tudo isso, é um piso que precisa de cuidado e manutenção”, conclui Juliana.

Temperatura

piso
(Foto: Shutterstock)

Tomando como base as duas opções, a madeira e o azulejo, é preciso ainda levar em consideração o clima de onde o imóvel está localizado. Para regiões mais quentes, pisos frios podem tornar o ambiente mais agradável e aí o azulejo se torna uma boa opção. Porém, para regiões mais frias, a madeira se adequa melhor à temperatura e proporciona maior conforto.

Fonte: https://revista.zapimoveis.com.br/

Encontre-nos no facebook