Entre em contato por e-mail

Confira nossos artigos e notícias

Conecte-se no Twitter com a Duplique Desembargador!

Download de aplicativos (como o Adobe Reader) e modelos de documentos e formulários

Acompanhe a evolução dos condomínios da Duplique Desembargador!

Conecte-se no Facebook com a Duplique Desembargador!

Conecte-se no Google Plus com a Duplique Desembargador!

Não é somente uma questão estética. Modernização dos elevadores traz mais segurança aos usuários

Até mesmo um dos meios de transporte mais seguros do mundo precisa de modernização. Saiba mais sobre a modernização dos elevadores.

Não é somente uma questão estética. Modernização dos elevadores traz mais segurança aos usuários

Elevador que para entre os andares, desnível entre a cabina e o pavimento, porta que demora fechar ou botões que não obedecem ao comando, são problemas comuns em prédios antigos que não modernizaram seus elevadores.

Segundo o Sindicato das Empresas de Elevadores de São Paulo (Seciesp), em torno de 60% das cabines de elevadores carece de manutenção.

Mais do que uma questão meramente estética, os elevadores precisam estar em sintonia com as atualizações tecnológicas do setor para dirimir irregularidades que podem, inclusive, colocar em risco a vida de moradores. “A modernização torna o elevador mais seguro e eficiente”, afirma Edilson Rosin.

Segundo o gerente de modernização de elevadores, outro ponto interessante na atualização dos equipamentos se refere a economia no consumo de energia. “Atualmente, em uma modernização, é possível realizar a instalação de um novo sistema que gera redução de até 40% no consumo de energia elétrica. Mas se este novo sistema for regenerativo, esta economia pode chegar a 70% quando comparado aos sistemas convencionais antigos”, ressalta Rosin.

Além de buscar um funcionamento inteligente e seguro, outra importante demanda quando é realizada uma renovação é o atendimento à norma NM-313, que trata de questões relacionadas à acessibilidade nos equipamentos tais como: corrimão, insertos em braile, sinais sonoros etc.

Outras normas que dispõem sobre requisitos de construção e instalação dos elevadores são: NBR 5666, que trata da terminologia; NBR NM 207, que aborda sobre parâmetros de segurança para construção e instalação; e a NBR 15.597/2008, que visa adequar os elevadores antigos aos padrões atuais de segurança.

Quando o elevador precisa ser modernizado?

Especialistas sugerem que a troca de alguns componentes seja feita a partir de 15 anos, ou quando o equipamento passa a apresentar problemas recorrentes.

» Estar atento e observar o funcionamento do elevador é essencial para identificar quando ele deve ser modernizado.

» Outra dica é observar se as despesas para a manutenção se tornaram extremamente altas e muito frequentes, encarecendo a taxa condominial e atrapalhando a vida dos usuários.

» Alteração no consumo de energia, desnível entre os andares, aumento no barulho e interrupções de serviço são sinais de que somente a manutenção já não é o bastante. Está na hora de modernizar.

Tipos de modernização

1. Substituição total do elevador existente: Neste caso, o elevador é substituído por um novo, seja com ou sem casa de máquinas, com tecnologia sustentável.

2. Atualização tecnológica: Os responsáveis pela administração do condomínio e os técnicos especialistas na manutenção de elevadores avaliarão quais os itens que mais necessitam ser modernizados, traçando um plano de trabalho de acordo com as necessidades e condições financeiras do condomínio.

3. Estética: Nesta fase, o desempenho do elevador é satisfatório, mas o visual pode estar ultrapassado. Neste caso, são realizadas modernizações da cabina e de seus componentes estéticos.

Benefícios da modernização:

» Eliminação de trancos

» Portas com abertura e fechamento mais suaves;

» Redução de ruídos na casa de máquinas;

» Precisão do nivelamento, independente da carga;

» Aumento da disponibilidade e segurança dos elevadores;

» Redução significativa no consumo de energia elétrica;

» Sem sujeira ou obra civil pesada;

» Valorização de cada unidade do edifício.

Fonte: Guilherme de Paula Pires com informações da assessoria |  Viva o Condomínio | https://vivaocondominio.com.br

Encontre-nos no facebook