Entre em contato por e-mail

Confira nossos artigos e notícias

Conecte-se no Twitter com a Duplique Desembargador!

Download de aplicativos (como o Adobe Reader) e modelos de documentos e formulários

Acompanhe a evolução dos condomínios da Duplique Desembargador!

Conecte-se no Facebook com a Duplique Desembargador!

Conecte-se no Google Plus com a Duplique Desembargador!

O condomínio contra a dengue

O País vive uma epidemia da doença e SP é recordista em mortes. O que está sendo feito como prevenção onde você mora?

Segundo dados do boletim epidemiológico do Ministério da Saúde até o início de maio eram 745,9 mil os casos de pessoas infectadas pelo Aedes Aegypti, o equivalente a 367,8 registros por 100 mil habitantes. Esses números mostram que vivemos uma verdadeira epidemia, onde o Estado de São Paulo é o recordista de mortes: 169, até 18 de abril.

Todos nós precisamos, portanto, estar engajados na luta contra a dengue. Para evitar que seu condomínio se torne um ponto de procriação do mosquito, algumas atitudes são indispensáveis.

O primeiro passo é alertar os moradores frequentemente sobre a necessidade de prevenção. A médica infectologista do Hospital e Maternidade São Cristovão,  Andreia Maruzo Perejão, explica que o mosquito é infectado após picar uma pessoa doente e, a partir daí, ele pica uma pessoa sadia e transmite a doença.

Como o número de casos vem aumentando e é cada vez mais comum conhecermos alguém que já tenha sido contaminado, não é difícil imaginar que é preciso intensificar os cuidados.

O que fazer nessa guerra – Para o diretor de condomínios Luis Moretto, o ponto inicial de combate deve vir dos próprios moradores e funcionários.

“É preciso manter um policiamento das áreas internas e externas do condomínio para serem eliminados possíveis focos de criadouros.” Moretto também alerta que os moradores devem manter a disciplina de vistoria dentro de suas unidades.

No condomínio, o síndico pode ser o responsável pelo incentivo ao combate. “Vale tomar atitudes práticas e objetivas, como distribuir comunicados, impressos e informações midiáticas, as quais são constantes no dia a dia de cada um de nós.”

Com a crise na distribuição de água, os cuidados também devem se estender aos reservatórios de águas da chuva.

“Os reservatórios devem estar absolutamente vedados, limpos e periodicamente examinados para serem detectadas quaisquer possibilidades de contaminação. A escassez de água tem feito com que muitos condomínios deixem o uso das piscinas em segundo plano. Para evitar que elas se tornam um ponto de criação, a limpeza não pode ser deixada de lado e vale investir em lonas protetoras, que servem tanto para evitar acidentes como uma proteção para entrada de objetos e mosquitos”, explica Moretto.

Evitando o pior

  • Apesar das informações sobre a dengue estarem disponíveis o tempo todo na imprensa, o síndico deve levar o assunto para o dia a dia do condomínio, distribuindo comunicados ou fixando-os em pontos de maior movimento
  • É preciso que moradores e funcionários estejam sempre em alerta quanto a possíveis pontos de proliferação dos mosquitos, ou seja, vasos com água parada, reservatórios de água, piscina sem lona e sem manutenção, entre outros
  • O uso de repelentes e telas de proteção nas janelas pode ajudar a diminuir os riscos também, por isso deve ser estimulado
 Fonte: iCondominial

Encontre-nos no facebook