Entre em contato por e-mail

Confira nossos artigos e notícias

Conecte-se no Twitter com a Duplique Desembargador!

Download de aplicativos (como o Adobe Reader) e modelos de documentos e formulários

Acompanhe a evolução dos condomínios da Duplique Desembargador!

Conecte-se no Facebook com a Duplique Desembargador!

Conecte-se no Google Plus com a Duplique Desembargador!

Pets em condomínios: veja como evitar problemas

Para morar com o pet em condomínio, prezar pela boa convivência é importante. Por isso, algumas restrições são adotadas a fim de evitar possíveis transtornos com os vizinhos

As regras passaram a existir após muitos incidentes e reclamações dos vizinhos

Os animais domésticos estão tornando-se cada dia mais parte da família. Segundo pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil possui mais de 132 milhões de pets de estimação – ficando em quarto lugar no ranking mundial. No entanto, ao escolher morar em condomínio, tutores e tutoras precisam obedecer a algumas restrições para evitar possíveis transtornos com os vizinhos.

O animal pode viver tranquilamente com seu dono desde que o mesmo não atrapalhe a saúde, o sossego e a segurança dos outros moradores. Regras como limpar o local onde o animal sujar e tomar cuidado para que ele não fuja do apartamento, que em geral fazem parte do regulamento interno do condomínio, precisam ser seguidas.

De acordo com Lilian Alves, vice-presidente de condomínio da Secovi, as normas passaram a existir após incidentes e reclamações. Lilian afirma que o tutor necessita tomar certos cuidados. “O dono precisa conhecer o seu animal, para que ele não incomode os vizinhos.” A especialista destaca também os cuidados com a saúde do animal. “É importante que o pet esteja com sua saúde estável e com a vacinação em dia”,destaca. Lilian acrescenta que em alguns prédios já estão sendo construídos áreas exclusivas para os bichinhos.

Enzo Camurça mora em um condomínio com sua cadelinha Anette. O músico explica que, em seu prédio, só existem duas regras que devem ser seguidas. “O condomínio só coloca duas restrições: os animais não podem passear soltos pelo prédio e o tutor é responsável pela limpeza, caso o animal faça suas necessidades em áreas comuns.” Enzo conta que, embora nunca tinha tido problemas, já presenciou alguns animais fugindo do apartamento e causando prejuízos.

A fim de que donos e donas de pets evitem inconvenientes com os vizinhos, as Revistas O POVO listaram cinco  dicas com base em sugestões da ItaBrasil Gestão Imobiliária, que podem ajudar na boa convivência. Confira.

Áreas comuns

Evite permanecer por muito tempo com os animais em áreas de uso comum, tais como hall, garagem, jardins e playground.

Elevadores

Mesmo não sendo proibida a entrada de animais no local, os donos podem perguntar à pessoa que está utilizando o elevador se ela se incomoda com a presença do animal. Se sim, o ideal é usar o elevador de serviço.

Saquinhos de lixo

Ter sempre em mãos o saquinho para recolher os dejetos do animal é extremamente importante. Isso serve para o condomínio ou para rua.

Barulhos

É importante que o dono fique atento se o animal não interfere no bem-estar dos vizinhos na sua ausência. Os latidos constantes muitas vezes ocorrem porque o animal passa muito tempo sozinho.

Mau cheiro

Manter a boa higiene do animal é importante, já que odores e mau-cheiro causam incômodo aos vizinhos e se espalham rapidamente.

Fonte: https://www20.opovo.com.br/

Encontre-nos no facebook