Entre em contato por e-mail

Confira nossos artigos e notícias

Conecte-se no Twitter com a Duplique Desembargador!

Download de aplicativos (como o Adobe Reader) e modelos de documentos e formulários

Acompanhe a evolução dos condomínios da Duplique Desembargador!

Conecte-se no Facebook com a Duplique Desembargador!

Conecte-se no Google Plus com a Duplique Desembargador!

Quer gastar menos com energia?

Saiba tudo sobre a lâmpada de LED

Desde 2010, as lâmpadas incandescentes estão deixando as prateleiras dos mercados. Aos poucos, os bulbos de 200, 150 e 100 watts foram banidos. No início de julho, chegou a vez dos de 60 watts. A medida, para adequar o consumo no país ao programa de eficiência energética, deixa ao consumidor as opções de lâmpadas fluorescentes e as LED (do inglês Light Emitting Diodo).
O baixo rendimento das lâmpadas incandescentes, que precisam de mais energia elétrica para emitir a mesma quantidade de luz das outras, fez com que deixasse os lares.

Luz

Enquanto uma lâmpada incandescente consome 60 watts para produzir cerca de 600 lúmens, a fluorescente consegue o mesmo resultado gastando apenas 15 watts. Para as lâmpadas que usam a tecnologia LED, esse número cai para até 7 watts para produzir a mesma iluminação. Atualmente, apenas o estoque das velhas lâmpadas está sendo vendido.

Hábito

“O consumidor se acostumou a procurar lâmpadas potentes buscando a maior quantidade de watts, mas isso mudou. Agora ele precisa pensar quantos watts ele precisa para produzir a mesma quantidade de luz, informado pelo valor dos lúmens”, explica o diretor técnico da Associação Brasileira de Importadores de Produtos de Iluminação (Abilumi), Alfredo Bomilcar.

Fluorescentes têm sobrevida
Especialistas acreditam que o futuro das lâmpadas fluorescentes será o mesmo das incandescentes. Quando fazemos o cálculo, considerando o valor do equipamento, o gasto mensal e a durabilidade, vemos que mesmo custando mais, a princípio, por durarem mais, as lâmpadas LED conseguem devolver o investimento inicial ao longo do tempo.

O custo-benefício está na redução da conta de luz e na durabilidade das lâmpadas fluorescentes ou em tecnologia LED. A nova tecnologia economiza quase 90% e dura 25 mil horas. Já a fluorescente chega ao máximo a 8 mil horas de vida.

Para o engenheiro da Eletrobrás, Rafael Meireles David, a tendência é que as lâmpadas LED dominem o mercado.

“O investimento ainda é muito caro para famílias de baixa renda, pois a lâmpada LED tem custo alto. Por isso, o equipamento fluorescente permanecerá por bom tempo no mercado”, avalia Rafael.

Nacional

Ele ressalta que lâmpadas LED já contam com fábricas em território nacional, enquanto as fluorescentes são quase todas importadas.

“A tendência é que com a eventual redução do custo das lâmpadas LED, as fluorescentes deixem de ser uma opção atrativa”, comenta.

Fonte: parana-online.com.br

Encontre-nos no facebook