Entre em contato por e-mail

Confira nossos artigos e notícias

Conecte-se no Twitter com a Duplique Desembargador!

Download de aplicativos (como o Adobe Reader) e modelos de documentos e formulários

Acompanhe a evolução dos condomínios da Duplique Desembargador!

Conecte-se no Facebook com a Duplique Desembargador!

Conecte-se no Google Plus com a Duplique Desembargador!

Saiba como reaproveitar a água da chuva com projeto de baixo custo

Mini cisterna idealizada por Edison Urbano pode ser feita no quintal de sua casa.

Água de chuva pode ser utilizada para regar plantas, lavar calçada, quintal e até em vaso sanitário (Foto: Shutterstock)

Água de chuva pode ser utilizada para regar plantas, lavar calçada, quintal e até em vaso sanitário (Foto: Shutterstock)

Os constantes alertas sobre a escassez de água no mundo vêm fazendo com que soluções inovadoras sejam pensadas para diminuir o consumo diário. O básico é diminuir o tempo de banho, fechar a torneira enquanto escova os dentes, utilizar um regador, entre outras coisas. Mas existe um projeto de mini cisterna que pode ser útil para tarefas do cotidiano, além de ajudar no racionamento.

Desenvolvido pelo empreendedor social Edison Urbano, a mini cisterna de baixo custo permite o aproveitamento da água da chuva para lavar quintal, calçadas e regar plantas. “Trata-se de um sistema com materiais baratos, que não precisa de bomba para retirar a água para consumo e que qualquer pessoa pode fazer na forma do ‘faça você mesmo’”, diz Urbano.

A ideia surgiu há dez anos pela necessidade de economizar a água potável. Em um primeiro teste, em que o sistema reutilizava a água do banho para as descargas do vaso sanitário, o empreendedor teve uma economia de 30% nas contas de casa.

Há a possibilidade, ainda, de torna-la potável. Mas, segundo Urbano, o custo fica muito alto e não compensa financeiramente. “Em algumas regiões a água da chuva é usada como água potável, mas sempre é necessário o uso de cloro para evitar doenças e a área de captação deve ser longe das lavouras para evitar a contaminação por agrotóxicos”.

O “inventor” deixa claro que o objetivo principal é conscientizar a população para a economia de um dos maiores bens do mundo. Fora isso, o sistema foi criado para que caiba em qualquer canto de uma casa e dentro das normas técnicas da ABNT.

O tambor pode ser implantado, também, em varandas de apartamento. Mas, infelizmente, os condomínios não permitem a instalação de calhas na parede do prédio.

Mini cisterna não ocupa muito espaço (Fotos: Edison Urbano)

Mini cisterna não ocupa muito espaço (Fotos: Edison Urbano)

Sistema – Para iniciar a construção da mini cisterna é preciso ter os materiais, que são achados facilmente em casas de construção. É necessário comprar somente tubos e conexões de PVC, filtro para tirar as impurezas, uma torneira e um reservatório de 200 litros. “Tudo não chega a R$ 300. Esses tambores (reservatório) podem ser comprados também em lojas especializadas”, aconselha o empreendedor. O manual completo para a montagem da mini cisterna, com fotos e dicas passo a passo, está disponível no site Sempre Sustentável, de Edison Urbano.

A montagem se inicia pela instalação da tubulação de descida da água da calha do telhado. É necessário um filtro de água auto-limpante, produzido com tubo de 75 mm, que serve para telhados de até 50 m². Para projetos maiores, use o mesmo tubo para cada 50 m². É importante ter um separador das primeiras águas de chuva e descarte das águas de chuvas fracas, para depois enviar a água de chuva forte para a cisterna.

Para a criação da cisterna, deve-se escolher um local que fique perto do tubo de descida da calha e que seja de fácil acesso. A base do tambor pode ser feita em alvenaria, metal ou madeira e em uma altura de pelo menos 45 cm.

Estes tubos vão filtrar as sujeiras mais grosas como folhas secas de árvores, pequenos insetos, penas de pássaros, entre outras impurezas

Estes tubos vão filtrar as sujeiras mais grosas como folhas secas de árvores, pequenos insetos, penas de pássaros, entre outras impurezas

As cisternas precisam de dois furos para entrada e saída de água e devem ser feitos logo abaixo dos anéis da boca do tambor. Para fazer os furos, você vai precisar de uma furadeira com broca de 6 mm, uma grosa ou lima grossa, lixas, régua e um lápis. Os buracos devem ficar como na imagem abaixo.

Após os furos, encaixe um tubo atravessando os dois buracos. Depois disso, já é possível instalar a torneira, na parte que quiser. O ideal é que se use uma torneira para jardim com rosca na ponta para conectar uma mangueira.

Mini cisterna com tubos instalados  no tambor e torneira para a utilização da água

Mini cisterna com tubos instalados no tambor e torneira para a utilização da água

Tratamento da água – Mesmo que a água reservada na mini cisterna não seja potável, é importante ter alguns cuidados para fazer a desinfecção e corrigir o pH.

Para fazer a desinfecção jogue apenas uma colher de chá de cloro orgânico granulado, ou em pequeno tablete, toda vez que entrar água nova no tambor ou meia hora antes de utilizá-la. Esse cloro deve ser colocado dentro de um pote pequeno de plástico, com alguns furinhos e com pedras dentro.

Para corrigir o pH e torna-la mais balanceada você pode usar produtos específicos para isso, que são encontrados em lojas de produtos de piscina. Essa fase é importante para a água não agredir as plantas, pisos, louças e metais.

Água pode ser tratada com claro dentro de um pequeno pote, como este da foto

Água pode ser tratada com cloro dentro de um pequeno pote, como este da foto

Urbano finaliza dizendo que faz de tudo para que as pessoas construam suas próprias cisternas. Mas caso tenham dificuldades, ele constrói o modelo básico por R$ 700, principalmente para influenciar o aproveitamento da água de chuva.

Fonte: ZAP Imóveis

Encontre-nos no facebook