Entre em contato por e-mail

Confira nossos artigos e notícias

Conecte-se no Twitter com a Duplique Desembargador!

Download de aplicativos (como o Adobe Reader) e modelos de documentos e formulários

Acompanhe a evolução dos condomínios da Duplique Desembargador!

Conecte-se no Facebook com a Duplique Desembargador!

Conecte-se no Google Plus com a Duplique Desembargador!

Saiba o que evitar na decoração para que não fique ultrapassada

Confira as dicas do arquiteto Bruno Gap sobre o que saiu de moda ou o que deixa o ambiente carregado.

Móveis com cores escuras já ficaram ultrapassados nos dias de hoje e são pouco procurados (Fotos: Shutterstock)

Móveis com cores escuras já ficaram ultrapassados nos dias de hoje e são pouco procurados (Fotos: Shutterstock)

Falar sobre o que é cafona é algo complexo porque envolve gosto pessoal. Esta é a opinião do arquiteto Bruno Gap, que acredita que há alguns exemplos básicos que podem demonstrar com clareza o que não faz mais parte da decoração contemporânea.

Segundo Gap, os móveis e revestimentos em madeiras de tons avermelhados e amarelados, como o mogno e marfim, foram muito utilizados nos anos 1980 e 1990 e hoje caíram em desuso. “Atualmente os revestimentos e móveis em madeira têm tons mais sóbrios e naturais e as madeiras com toques de cinza estão muito em alta”, ensina Gap.

“Cortinas muito volumosas e de tecidos bem grossos e pesados aliadas aos famosos bandôs, também em tecido, são exemplos muito característicos das décadas de 1970, 1980 e 1990”, comenta. No final dos anos 90 já começaram a ser usadas cortinas mais leves e simples, parecidas com as que usamos hoje, de acordo com o arquiteto.

As cortinas volumosos deram espaço para os tons e tecidos mais leves

As cortinas volumosos deram espaço para os tons e tecidos mais leves

Móveis com estofados volumosos, arredondados e muitas vezes acompanhados de detalhes em tecido franzido já não são o forte hoje.

“Esses móveis sempre tiveram seu design aliado à sensação de conforto. Mas hoje os móveis modernos ganham ar mais leve e mantêm o conforto com percintas e plumas de ganso”, explica.

Muito vidro na casa deixa o ambiente pesado, segundo o arquiteto Bruno Gap

Muito vidro na casa deixa o ambiente pesado, segundo o arquiteto Bruno Gap.

Utilizar conjunto de móveis iguais ou o mesmo modelo de mesas de canto e de centro era tendência muito forte nos anos 80. “Hoje combinar móveis diferentes, até de épocas distintas, agrega ao décor personalidade e estilo”, avalia o arquiteto.

Gap finaliza explicando que o uso exagerado de vidros e espelhos revestindo paredes e móveis deixa o espaço pesado. “Vamos nos lembrar das paredes e tetos revestidos de espelhos dos anos 80. Era comum esse tipo de ambientação ser complementado por mesas de jantar de vidro e lustres de cristal. Apesar de serem materiais visualmente leves, o brilho excessivo torna-se cansativo e ultrapassado.”

Fonte: ZAP Imóveis

Encontre-nos no facebook