Entre em contato por e-mail

Confira nossos artigos e notícias

Conecte-se no Twitter com a Duplique Desembargador!

Download de aplicativos (como o Adobe Reader) e modelos de documentos e formulários

Acompanhe a evolução dos condomínios da Duplique Desembargador!

Conecte-se no Facebook com a Duplique Desembargador!

Conecte-se no Google Plus com a Duplique Desembargador!

Santo ar-condicionado! Conheça os modelos, saiba como escolher e evite o calorão

Número de janelas e portas do ambiente, posição solar e presença de eletrônicos são alguns dos fatores que influenciam a escolha do tipo de aparelho

Com as temperaturas extremas registradas nos últimos tempos – janeiro é o mês mais quente da história de Porto Alegre desde 1916, quando começaram as medições – é impossível não levantar as mãos para o céu e agradecer a Willis Carrier, o engenheiro americano que inventou o primeiro sistema de ar-condicionado. Graças a ele, podemos fugir do calorão enlouquecedor das ruas para ambientes climatizados e fresquinhos,ar condicionado 5 verdadeiros alentos durante os dias de verão. Mas como saber qual o aparelho ideal para a nossa casa? Selecionamos algumas orientações para ajudá-lo na busca.

Existem no mercado três tipos de aparelhos, de janela,split e portáteis. O primeiro modelo é um equipamento de corpo único, com capacidades entre 7 mil e 30 mil BTUs, segundo informa a Associação Brasileira de Refrigeração, Ar-condicionado, Ventilação e Aquecimento (Abrava). Dentro dele fica a condensadora, que esfria o ar, e a evaporadora, que o libera no ambiente. Para instalá-lo, é preciso fazer uma abertura na parede, para que parte do aparelho fique para fora do interior do ambiente. É mais compacto que o split, além de ser mais barato, mas faz mais ruído e pode não ser tão eficiente para espaços maiores.

Já os equipamentos tipo split, são constituídos de uma unidade interna (evaporadora), uma unidade externa (condensadora) e uma tubulação de interligação entre as unidades. A primeira, que é a mais barulhenta, é instalada do lado de fora do cômodo, e a segunda é o aparelho que despeja o ar gelado no ambiente. São produzidos numa faixa de capacidade de 7 mil a 80 mil BTUs, conforme a Abrava. É 70% mais econômico do que os aparelhos de janela.

O modelos split variam conforme o seu conceito de aplicação no ambiente: hi-wall, para utilização no alto da parede; piso/teto, instalado junto ao forro, o que inclui o canto do cômodo, ou junto ao piso, atrás do sofá, por exemplo; cassete, para utilização sob o forro; e built in, que fica sob o forro, com uma pequena rede de dutos.

Para ambientes grandes mas sem muita área externa para instalação, existem os multisplit, que conectam duas ou três evaporadoras à mesma condensadora. No entanto, é mais caro que o split comum. Mantém a economia de consumo quando comparado ao modelo de janela, mas se três evaporadoras forem ligadas ao mesmo tempo, por exemplo, o consumo equivale ao de três condicionadores – a vantagem está, realmente, no espaço ocupado do lado de fora do prédio.

Por fim, existem também os modelos portáteis, que podem ser movimentados pelo ambiente. É um único equipamento com capacidades entre 10 mil e 12 mil BTUs. Não requerem instalação, já que a troca de ar é feita por um tubo, conectado do aparelho à janela. Apesar da praticidade, o modelo é mais barulhento e ocupa espaço no ambiente, como se fosse um móvel.

Como escolher?

Como as potências dos condicionadores variam, para escolher qual o modelo que melhor atende às necessidades do ambiente, deve-se levar em conta o número e o tamanho das janelas e portas, a posição solar do espaço, a quantidade de pessoas que convivem ao mesmo tempo no local e a presença de eletrônicos. Para definir o aparelho ideal, portanto, sugere-se que seja feita uma consulta com um especialista. Você pode, no entanto, ter uma ideia do custo do equipamento calculando que serão cerca de 600 BTUs por metro quadrado, acrescentando também 600 BTUs por cada equipamento eletrônico – monitor do computador, televisão, rádio, DVD.

Manutenção

A manutenção, feita em casa, precisa ser periódica. Os técnicos retiram o filtro de ar e o lavam com água corrente, sem adição de produtos de limpeza. O intervalo de um mês costuma ser suficiente, contudo, em locais com muita poluição, ou em lares com animais de estimação, pode ser necessário fazer a higienização com mais frequência. A recomendação também vale para o aparelho da cozinha, se a pessoa costuma fazer muita fritura.

Fonte: Revista Pense Imóveis

Encontre-nos no facebook