Entre em contato por e-mail

Confira nossos artigos e notícias

Conecte-se no Twitter com a Duplique Desembargador!

Download de aplicativos (como o Adobe Reader) e modelos de documentos e formulários

Acompanhe a evolução dos condomínios da Duplique Desembargador!

Conecte-se no Facebook com a Duplique Desembargador!

Conecte-se no Google Plus com a Duplique Desembargador!

Sem correção na tabela, brasileiro vai pagar mais Imposto de Renda

Com inflação elevada, muitos contribuintes vão subir de faixa mesmo sem ter aumento real de renda

O governo tem indicado que, pela primeira vez em 12 anos, não vai reajustar a tabela do Imposto de Renda. Com a inflação elevada – o IPCA foi de 10,67% no ano passado e chegará perto de 7% neste ano – muitos contribuintes correm o risco de subir de faixa e pagar mais imposto mesmo sem ter aumento real em seus rendimentos.

No ano passado, o Ministério da Fazenda estimou que o reajuste das faixas de renda, que então variou de 4,5% a 6,5%, provocou perda de arrecadação de R$ 6 bilhões. Se não atualizar a tabela neste ano, portanto, o governo vai arrecadar mais.

O governo é “sócio” antigo da inflação na questão do IR. Embora as faixas de renda tenham sido elevadas todos os anos a partir de 2005, na maioria das vezes o reajuste ficou abaixo do IPCA. Em 2015, quando o índice de preços beirou os 11%, a diferença – em prejuízo dos contribuintes – foi de quase 5%, em média, a mais alta desde 2004.

A defasagem desde 1996 passa de 70%, segundo cálculo do Sindifisco Nacional, representante dos auditores fiscais da Receita. A maior parte do resíduo é herança do governo FHC, que passou seis anos sem atualizar as faixas de renda.

Se nas últimas duas décadas a correção da tabela tivesse acompanhado a inflação, contribuintes que hoje ganham até R$ 3.250 por mês ficariam livres do imposto. A faixa de isenção atual, no entanto, é de pouco mais de R$ 1,9 mil.

“Ao não atualizar a tabela, indiretamente o governo está aumentando a carga tributária, e sem lei”, diz o advogado tributarista André Mendes Moreira, do escritório Sacha Calmon-Misabel Derzi. Para ele, a não correção contraria a Constituição, que obriga o poder público a adequar a tributação à capacidade do contribuinte.

A questão, segundo Moreira, nunca foi analisada pelo plenário do Supremo Tribunal Federal (STF). Os precedentes são favoráveis ao governo: em pelo menos duas ocasiões, em 2011 e 2012, a segunda turma da Corte entendeu que não cabe ao Poder Judiciário impor a atualização da tabela.

Reação

“Do ponto de vista orçamentário, a não correção da tabela tem efeito significativo para os cofres públicos. Mas, a meu ver, é uma conta que será cobrada lá na frente, porque a reação será muito forte”, diz a economista Maria Emília Miranda Pureza, consultora de Orçamento e Fiscalização Financeira da Câmara dos Deputados.

O histórico recente indica que o governo terá dificuldades em levar sua pretensão adiante. No início de 2015, a presidente Dilma Rousseff vetou uma emenda que reajustava a tabela em 6,5%, acima dos 4,5% pretendidos pelo governo. Após quase dois meses de negociação, Planalto e Congresso chegaram a um meio-termo, o reajuste escalonado.

Imposto sobre lucro renderia R$ 43 bilhões

Fernando Jasper

Deixar de corrigir a tabela do Imposto de Renda é um jeito fácil de arrecadar mais. Mas estudiosos defendem alternativas capazes de aumentar a receita e de tornar o Imposto de Renda mais justo.

Uma dessas propostas, encampada pelo Conselho Federal de Economia (Cofecon), é a retomada da tributação sobre lucros e dividendos, extinta em 1995. Nas contas da instituição, uma alíquota de 15% aumentaria a arrecadação em R$ 43 bilhões.

Estudos indicam que a atual isenção provoca concentração de renda. Segundo os economistas Sérgio Gobetti e Rodrigo Orair, do Ipea, 71 mil brasileiros ganham mais de 160 salários mínimos por mês. Em média, cada um paga apenas 2,6% de imposto sobre sua renda, principalmente porque a maioria recebe lucros e dividendos, livres de IR.

Enquanto isso, os contribuintes de classe média alta, com renda entre 20 e 40 salários mínimos, entregam ao Leão 10,2% de seus rendimentos. Muitas dessas pessoas obtêm a maior parte de seus ganhos do trabalho, pagando alíquotas de até 27,5%.

Para Júlio Miragaya, presidente do Cofecon, ao aumentar a carga tributária sobre a renda, o governo pode baixar os tributos sobre a produção e o consumo. “Teríamos uma distribuição mais justa dos impostos e, ao mesmo tempo, estimularíamos a atividade econômica”, diz.

O tributarista André Mendes Moreira é contrário ao fim da isenção. “É ilusão pensar que só os ricos recebem lucros e dividendos. Donos de empresas de pequeno porte também”, observa. ”Os dados comprovam que a isenção estimulou empresários a aderir à formalidade.”

Fonte: gazetadopovo.com.br

Encontre-nos no facebook