Entre em contato por e-mail

Confira nossos artigos e notícias

Conecte-se no Twitter com a Duplique Desembargador!

Download de aplicativos (como o Adobe Reader) e modelos de documentos e formulários

Acompanhe a evolução dos condomínios da Duplique Desembargador!

Conecte-se no Facebook com a Duplique Desembargador!

Conecte-se no Google Plus com a Duplique Desembargador!

Tecnologia reduz consumo de energia

Apesar de mais caras, lâmpadas de LED e fluorescentes garantem mais economia em relação às incandescentes

Tecnologia reduz consumo de energia

Desde 1º de julho deste ano está proibida a venda das tradicionais lâmpadas incandescentes de 60 watts. A decisão foi tomada por uma portaria do Governo Federal, com o intuito de diminuir o consumo de energia elétrica no Brasil.

O processo de retirada de lâmpadas incandescentes do mercado teve início em 2010. Desde então, as lâmpadas incandescentes de 100 W, 150 W e 200 W já foram retiradas do mercado e as de 25 e 40 watts poderão ser comercializadas somente até 30 de junho de 2016.

O motivo da retirada do produto do mercado é sua baixa eficiência energética, já que consome muita energia para iluminar pouco. Marcos Fabiano Santos, sócio de uma empresa de materiais elétricos, em Itapema, litoral norte de SC, explica que as lâmpadas incandescentes produzem alto índice de reprodução de cor, são mais baratas, mas a vida útil é de 1.000 horas, o que é muito pouco em relação às lâmpadas fluorescentes e de LED. Além de não serem econômicas, possuem alto consumo de energia e superaquecem. “Apenas 5% de sua energia é transformada em luz e os outros 95% transformados em calor, por conta deste enorme desperdício de energia este produto já não pode mais ser fabricado ou exportado para o Brasil”, explica Santos.

Opções
O consumidor tem agora duas opções de lâmpada, a fluorescente e a de LED. Elas são mais caras, mas os fabricantes garantem que os benefícios compensam. Marcos Santos afirma que as lâmpadas fluorescentes estão entre as fontes de luz artificiais mais usadas. “A vida útil, em média pode passar de 10.000 horas. Podem ser usadas em lojas, escritórios, restaurantes e hotéis, estádios e ginásios esportivos, e em iluminação de estradas e túneis. As diferentes cores de luz e designs são um fator decisivo para a ampla gama de aplicações”, explica.

Segundo Santos, a de LED também é uma ótima tecnologia de iluminação e baixo consumo. “Seu potencial tem alto rendimento no fluxo luminoso, é um produto que está invadindo cada vez mais o mercado substituindo lâmpadas tradicionais em residências, salas comerciais, condomínios, escritórios e outros ambientes, justamente por proporcionar maior economia e ter grande tempo de vida”, explica.

De acordo com o arquiteto Pedro Tessarollo, uma lâmpada em LED tem duração média de oito anos e meio se acessada por oito horas todos os dias. Entre as vantagens da lâmpada de LED, ele destaca a redução dos custos e manutenção, a alta eficiência energética, a não emissão de raio UV, o que não desbota roupas ou obras de arte, a resistência a vibrações e impactos e a baixa emissão de calor.

Potência
O arquiteto Tessarolo explica que os produtos em LED são muito versáteis para a iluminação de ambientes. “Na composição dos espaços sugerimos mesclar os efeitos de luz dramática e luz indireta para deixar o ambiente mais agradável”. Para quem não tem conhecimento específico, na hora da compra a dica é prestar atenção à temperatura da cor, uma especificação que se encontra na embalagem. “Quanto mais amarelada, com temperatura de cor de 2.700 k, por exemplo, mais aconchegante e ideal para ambientes como quartos, salas e espaços de lazer. Quando é necessário mais estímulos como em escritórios, as luzes mais brancas, com 4.000 k, são as mais indicadas”, orienta o arquiteto.

Eficiência
Síndico do Residencial Passero, em Itapema, Roberto Mari conta que está fazendo a troca das lâmpadas fluorescentes pelas de LED em todo o condomínio, porém ainda não atingiu nem 20% do total. “Como as lâmpadas de LED têm um custo de aquisição de quase 50% a mais do que as fluorescentes, optamos por substituí-las à medida que as antigas forem queimando. A potência das lâmpadas já trocadas é equivalente a 60 W para os ambientes maiores, como as garagens, e de 30 W para ambientes menores, as quais acendem por sensores de movimento, exceto para o hall de entrada”, explica o gestor.

O síndico explica que o gasto de aquisição, em média, foi de R$ 24 com cada lâmpada e a estimativa é que se gaste cerca de R$ 1.500 para a substituição completa das lâmpadas nas áreas comuns. “Ainda não temos como aferir a economia que se espera na conta de energia elétrica, mas a nossa expectativa é de uma redução de mais de 40%, quando a troca estiver completa, conforme a opinião dos profissionais da área”, diz Roberto Mari.

Comparando os modelos das lâmpadas

Lâmpadas Incandescente    Fluorescente       Led
Consumo 60W 20W 6,5W
Durabilidade 6-8 meses 2-3 anos 12-14 anos
Economia X Até 80% Até 95%
Emissão de Calor Muito Alta Média Muito Baixa
Ecologia Não contem Mercúrio Contem mercúrio Não contem mercúrio
Preço por lâmpada R$2,10 R$8,20  R$ 13,00 a R$19,00

Fonte: CondomínioSC

Encontre-nos no facebook