Entre em contato por e-mail

Confira nossos artigos e notícias

Conecte-se no Twitter com a Duplique Desembargador!

Download de aplicativos (como o Adobe Reader) e modelos de documentos e formulários

Acompanhe a evolução dos condomínios da Duplique Desembargador!

Conecte-se no Facebook com a Duplique Desembargador!

Conecte-se no Google Plus com a Duplique Desembargador!

Visitantes indesejados

A proliferação de roedores nos condomínios, além de causar doenças, também pode danificar a estrutura dos imóveis.

Os ratos podem roer as capas dos fios elétricos e até causar curtos-circuitos.

Os ratos podem roer as capas dos fios elétricos e até causar curtos-circuitos.

Visitantes indesejados, os ratos podem causar mais prejuízos do que se imagina nos condomínios. Além de doenças, esses pequenos animais também podem danificar a estrutura dos imóveis como fios e cabos de energia, tijolos, madeira, folhas finas de alumínio e até cimento. Recentemente, em um condomínio de São José, vários apartamentos ficaram sem sinal de telefone e internet. A companhia telefônica foi chamada para o reparo e depois de dois dias de trabalho foi constatado que os cabos de transmissão haviam sido roídos pelos ratos. Como a tubulação do edifício era antiga e de difícil acesso, os técnicos precisaram fazer várias perfurações nas paredes para reparar os fios, o que causou prejuízo para o condomínio e para os moradores que ficaram cinco dias esperando pelo conserto.

Segundo Edson Sampaio Lenk Junior, especialista no controle de pragas e presidente da Associação dos Controladores de Pragas de Santa Catarina (ACPRAG), os ratos têm a necessidade de roer para gastar os dentes que crescem incessantemente. “Para não ter o risco de ficar com os dentes grandes demais e com isso não poderem se alimentar, eles roem de tudo o que tem pela frente. Por isso, com frequência, provocam curtos-circuitos ao roerem as capas de fios de eletricidade e podem até ocasionar incêndios”, relata.

Lixo

De acordo com Edson, impedir a proliferação desses roedores começa basicamente evitando-se os quatro “As”, ou seja, acesso, abrigo, alimento e água, pois limitando a oferta desses fatores se reduz significativamente a infestação.

O especialista também explica que nos condomínios, a briga contra o surgimento dessas pragas depende do envolvimento de todos, não apenas da ação dos síndicos. Manter a limpeza geral, os ambientes secos e ventilados, e o lixo acondicionado de forma correta, são algumas das providências que devem ser adotadas por todos. “Alguns hábitos precisam ser mudados, sobretudo em condomínios horizontais e casas. Um deles é o cuidado com o lixo, pois não adianta manter o material orgânico acondicionado em sacos plásticos no chão porque os insetos e ratos podem rasgá-los. Para evitar o acesso dos roedores às lixeiras é recomendado que os recipientes fiquem dispostos longe do chão”, salienta o especialista.

Edson lembra que, funcionários que limpam espaços que possam conter fezes ou urina dos ratos, também devem se proteger e sempre utilizar equipamentos de proteção individual (EPI) e produtos que possam neutralizar os dejetos, como o hipoclorito de sódio. “Em ambientes fechados deve-se fazer a ventilação dos locais antes de entrar e usar máscara”, orienta.

Produtos

Para acabar com os roedores, existem várias soluções disponíveis no mercado, mas em se tratando de condomínios, o mais indicado é contratar uma empresa controladora de pragas habilitada que terá os cuidados necessários conforme o ambiente a ser aplicado. “Todos os produtos disponíveis no mercado têm certa toxicidade, embora se utilizados da maneira correta o risco seja mínimo. Existem também produtos atóxicos no mercado, tais como, armadilhas de cola e ratoeiras, mas em alguns casos não são tão eficazes”, esclarece Edson.

De acordo com o diretor, a periodicidade de aplicação dos produtos vai depender do tamanho da infestação e o contrato com a empresa dependerá da política de cada fornecedor. “Geralmente fazemos em 12 meses, desta forma, o valor fica diluído e os serviços têm mais eficácia com a assistência garantida durante todo o ano. O trabalho começa com uma desratização e no início as visitas deverão ser semanais. Após o controle, podem ser de 15 em 15 dias”, destaca o especialista.

Fonte: CondominioSC

Encontre-nos no facebook